>A DIFERENÇA ENTRE PASTORES E LOBOS.




































Jesus Cristo :
Leão da Tribo de Judá.
Maravilhoso, Conselheiro,
Deus Forte, Pai da Eternidade
e Principe da Paz!

sábado, 29 de junho de 2013

Não toqueis nos meus ungidos.


Basta alguém questionar a posição doutrinária ou ética de algum líder religioso
para que ele ou seus simpatizantes imediatamente lancem mão desta frase para se defenderem.
Alguém já disse, com sabedoria, que o poder odeia a crítica, e isto é verdade
também no meio evangélico. Ao afirmar isso, não estamos defendendo aqui a crítica barata,
vingativa, mas, sim, a construtiva, feita de acordo com a Palavra de Deus.
Esta expressão “não toqueis nos meus ungidos” aparece duas vezes na Bíblia:
em 1 Crônicas 16.22 e em Salmos 105.15; ambas as referências são a respeito dos patriarcas,
Abraão, Isaque e Jacó. As duas passagens não se referem a um questionamento ético
ou doutrinário do líder, mas a algum perigo para a integridade física de um ungido de Deus.
Observe o que aconteceu com Abraão em Gênesis 20.1-13. Estando em Gerar, mentiu ao rei Abimeleque,
dizendo que Sara não era sua esposa, a fim de se proteger. Impressionado com a beleza de Sara,
Abimeleque mandou buscá-la para fazê-la sua esposa. Deus, porém, avisou o rei em sonho durante a noite,
dizendo-lhe que seria punido se tomasse Sara como esposa, o que o levou a desistir do seu plano.
Embora Abimeleque tivesse sido proibido por Deus de tocar no profeta (v. 7) e ungido do Senhor,
isto é, de causar-lhe algum dano físico, ele não hesitou em repreender Abraão por ter-lhe mentido.
Davi também, quando perseguido por Saul e com oportunidade para matá-lo, limitou-se apenas a
cortar-lhe a orla do manto, explicando com estas palavras o motivo de seu comportamento:
“O SENHOR me guarde de que eu faça tal cousa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a
mão contra ele, pois é o ungido do SENHOR” (1 Sm 24.6). Vemos novamente que o que
estava em questão era a vida de Saul e não sua posição doutrinária.
No Novo Testamento, a unção não é privilégio apenas de alguns, mas de todos os que estão em Cristo.
Na sua primeira epistola universal, João mesmo reconheceu isso ao escrever: “E vós possuís
unção que vem do Santo, e todos tendes conhecimento” (1 Jo 2.20). João acrescenta ainda:
“Quanto a vós outros, a unção que dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade
de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as cousas,
e é verdadeira, e não é falsa, permanecei nele, como também ela vos ensinou” (1 Jo 2.27).
É verdade que Jesus disse no Sermão do Monte: “Não julgueis, para que não sejais julgados” (Mt 7:1).
Este é um outro texto muito usado de forma seletiva e fora de seu contexto como um escudo contra qualquer tipo de

questionamento. O que Jesus está censurando nesta passagem é o julgamento hipócrita, algo que ele deixa
bem claro nos versículos 3 a 5: “Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não
reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro
do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e então
verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão”. Pode-se constatar que o apóstolo
Paulo tinha o cuidado de obedecer às palavras do Senhor Jesus pela sua exortação aos coríntios:
“Mas esmurro o meu corpo, e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros,
não venha eu mesmo a ser desqualificado” (1 Co 9.27).

A Bíblia não proíbe o questionamento, pelo contrário, encoraja-o. Quando chegou a Beréia,
Paulo teve seus ensinos avaliados à luz das Escrituras pelos bereanos. É interessante
que os bereanos não foram censurados nem tidos como carnais porque examinaram os ensinos de Paulo,
mas, sim, foram elogiados e considerados mais nobres que os de Tessalônica (At 17.11).
Observe a atitude de João. Apesar de ser conhecido como o apóstolo do amor e de usar termos
muito amorosos (como “filhinhos”, “amados”), ele não deixou de alertar seus leitores
quanto aos perigos de ensinos e profetas falsos com essas palavras: “Amados, não deis
crédito a qualquer espírito: antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque
muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora” (1 Jo 4.1).

Extraído do livro “Evangélicos em Crise” do Pr. Paulo Romeiro / CACP *Postado por:Catarina Luiza.

Estatística

Obrigado por participar do nosso Blog!!Deus te abençoe!!

Google+ Followers

Jesus Ama Você!!



Ensina-me, Senhor, o teu caminho,
e andarei na tua verdade;
une o meu coração ao temor do teu nome.
=Salmos 86:11=





GOSTOU DO BLOG?ENTÃO FIQUE A VONTADE PARA CURTIR ,COMENTAR E COMPARTILHAR!!

ACORDE POVO DE DEUS!!



Reflita:
Lembra-te, pois, de onde caíste,
e arrepende-te, e pratica as primeiras obras;
quando não, brevemente a ti virei,
e tirarei do seu lugar o teu castiçal,
se não te arrependeres.
= Apocalipse 2:5=





o pastor e o lobo.

Pastores buscam o bem das ovelhas; lobos buscam os bens das ovelhas.
Pastores vivem à luz da cruz; lobos vivem debaixo dos holofotes.
Pastores têm fraquezas; lobos são poderosos.
Pastores são ensináveis; lobos são donos da verdade.
Pastores têm amigos; lobo tem admiradores.
Pastores vivem de salários; lobos enriquecem.
Pastores vivem para suas ovelhas; lobos se abastecem
das suas ovelhas.
Pastores apontam para CRISTO; lobos apontam para si mesmo
e para igrejas deles.
Pastores são humanos, são reais; lobos são personagens religiosos
caricatos.
Pastores ajudam as ovelhas a se tornarem adultas; lobos perpetuam
a infantilização das ovelhas.
Pastores são simples e comuns; lobos são vaidosos e especiais.
Pastores quando contrariados silenciam, aquietam; lobos rosnam e
tornam-se agressivos.
Pastores se deixam conhecer; lobos se distanciam e ninguém chega perto.
Pastores alimentam as ovelhas; lobos se alimentam das ovelhas.
Pastores lidam com a complexidade da vida sem respostas prontas, lobos
lidam com técnicas pragmáticas com jargão religioso.
Pastores vivem uma fé encarnada; lobos vivem uma fé espiritualizada.
Pastores se comprometem com o projeto do REINO; lobos têm projetos e
reservas pessoais.
Pastores são transparentes; lobos têm agendas secretas.
Pastores dirigem igrejas-comunidades; lobos dirigem igrejas-empresas lucrativas.
Pastores pastoreiam as ovelhas, lobos seduzem as ovelhas.
Pastores buscam a discrição, lobos se auto-promovem.
Pastores se interessam pelo crescimento das ovelhas; lobos se interessam
pelo crescimento das ofertas.
Pastores ajudam as ovelhas a seguir livremente a CRISTO; lobos geram
ovelhas dependentes e seguidoras deles.
Pastores criam vínculo de amizade; lobos aprisionam em vínculo de dependência.
E então, quem está cuidando de sua igreja, é o PASTOR ou o LOBO?
....











Sou Cristã...apaixonada por Jesus...não sou idólatra!!




=" SIGAM-ME NO TWITTER.OBRIGADO!

Google+ Badge

Postagens populares

Pesquisar este blog

ROLAGEM.